Posts Tagged 'crise dos ricos'

O crime dos ricos e a crise dos pobres. O crack da bolsa e o crack da boca.

 

esp_crise_banner_150Na última semana duas notícias relacionadas aos impactos da chamada “crise financeira mundial” em Feira de Santana chamaram atenção. A primeira foi a divulgação dos dados oficiais do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) sobre as demissões na cidade. Segundo o MTE, 337 postos de trabalho foram fechados no mês de abril em Feira de Santana, as demissões se concentraram principalmente no setor produtivo, nos serviços industriais e no comércio.

Outro fato que também chamou atenção foi uma enorme fila formada em frente à Casa do Trabalhador, lembrando aquelas da grande depressão de 1929. O motivo da fila foi o boato, que logo se descobriu ser falso, sobre a abertura de 500 postos de trabalho na cidade.

O objetivo deste artigo é pontuar alguns elementos sobre o que o inimigo de classe, ou seja, os capitalistas, seus governos e sua mídia, não por acaso chamam de “crise” e que na verdade deveria ser chamada de “natureza criminal do sistema capitalista”, assim como, as conseqüências dessa nova ofensiva dos poderosos sobre o povo pobre e a classe trabalhadora, em particular, na princesa comercial, na cidade-encruzilhada.

Operando o crime

A operação desse “novo crime” dos capitalistas, ou seja, da “crise” que eles construíram, é algo que nos seus detalhes se torna de difícil compreensão, mas que grosso modo, parte da mesma premissa de sempre: a necessidade que este sistema possui de aumentar seus níveis de dominação, opressão e exploração, como método de se perpetuar e garantir assim seus níveis de hegemonia.

A bolha imobiliária dos EUA, as quedas nas bolsas de valores em todo o mundo, a falência de grandes empresas, a derrama de dinheiro público nos bolsos dos grandes capitalistas de um lado e o arrocho para os trabalhadores de outro, são as imagens mais comuns da tal “crise”. Contudo, entender este processo complexo que envolve o Sistema Swift, as TICs e as transações financeiras de derivativos, nos leva à um única conclusão possível: a intencionalidade criminosa do sistema na produção dessa nova “crise”. E esta conclusão, nos conduz a uma polêmica, nominalmente, com os métodos marxistas de análise: está crise não é de superprodução, ou uma crise cíclica do capital que se enquadra no determinismo das “leis do pensamento econômico”, como disse, é um fenômeno muito mais complexo.

O povo pobre sempre esteve em crise

E enquanto os ricos promovem mais uma ofensiva combinada nos campos da ideologia, da economia e da política, esta crise não é novidade do lado de cá. Para o povo oprimido “viver em crise” não é nenhuma novidade. Em Feira de Santana, dominada pela mão-de-ferro de uma oligarquia paternalista, associada às máfias como a do transporte coletivo, da grilagem e especulação imobiliária, uma burguesia comercial já há muito firmada e um setor industrial crescente, a realidade vivida às margens, onde a “crise” não é surpresa alguma, é como em todas as grandes cidades do país. Nas nossas periferias e quebradas são as relações que envolvem o crack, o ferro, o sangue-no-olho, as proto-milícias (os populares grupos de extermínio) e a polícia corrupta que definem quem vive e quem morre, ou seja, na favela “a mãe que vai chorar” é só mais uma, que chora por um crime premeditado e necessário para a reprodução e perpetuação do sistema.

E enquanto a jogatina política do PT, PMDB, DEM, PSDB e das legendas de aluguel vai se costurando nos bastidores para a sucessão do ano que vem ao Palácio de Ondina, Assembléia e Câmara de deputados, serviços como a saúde pública e a educação são cada vez mais precários e que combinados com o aumento do desemprego, vão fazendo da princesa comercial, que outrora dizia-se que não seria afeta pelo crise, exatamente por seu caráter comercial, na campeã em concentração de riqueza e de extermínio do povo pobre.

1° de junho de 2009.

Feira de Santana, a Terra de Lucas.

Das trincheiras da guerra de classes!

Sobre este tema, indicamos:

Estratégia e Análise: A intencionalidade do capitalismo é o crime quase suicida

Discurso da Federação Anarquista Gaúcha sobre conjuntura no 1° de Maio de 2009


Cadastre-se e receba as atualizações do blog em seu e-mail. Após o cadastro confirme no seu e-mail. Contra-informação na Feira de todas as lutas e sonhos de libertação!

Junte-se a 10 outros seguidores

visitas

  • 13,021 leitores!